6 de jun de 2012

Manx | Gatos de Raça



Um gato com formato de bola de boliche, com a cauda curtíssima ou inexistente, que parece ter saltado de um desenho animado.
Foto: http://simplycatbreeds.org/Manx.html
Curiosamente tem uma movimentação semelhante à de um coelho, parecendo pular em vez de andar. Uma mistura do gato Batatinha, amigo do Manda Chuva, com o coelho Pernalonga.

Os proprietários e criadores de Manx afirmam que são os carros esportivos do mundo dos gatos com uma aceleração enorme e curvas rápidas e precisas.

História

Lendas e mitos:
Existem muitos contos fantásticos para explicar a origem desse gatinho sem cauda. De acordo com uma história, o Manx foi resultado de um cruzamento entre um gato e um coelho. Outro conto imaginativo narra que os invasores irlandeses roubaram o rabo dos gatos para fazerem plumas de seus capacetes. Outra história interessante sugere que o Manx foi levado para a Arca de Noé, mas como o tempo estava se esgotando e eles eram os últimos passageiros a subir a bordo, Noé bateu a porta, amputando suas caudas.

De acordo com outra história, os gatos estavam viajando com a Armada Espanhola, quando foi destruída na Ilha de Man em 1588. Os gatos nadaram até a ilha e fizeram dela a sua casa. Outra história é que eles foram trazidos para a ilha por comerciantes fenícios, que chegaram do Japão. Outros afirmam que o gato foi introduzido na ilha pelos Vikings que o colonizaram.


Histórias reais
A raça se originou na Ilha de Man, uma pequena ilha, entre a Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales. A ilha foi habitada desde os tempos neolíticos. (Hoje, a Ilha é um reino de autogoverno, uma dependência da Coroa com o seu próprio parlamento e leis.) Uma vez que a Ilha não tem felinos nativos a partir do qual o Manx poderia se desenvolver, os gatos domésticos devem ter sido introduzidos pelos colonizadores, comerciantes e exploradores; quando (e de onde) não se sabe realmente. Alguns acreditam que o Manx é descendente de gatos britânicos, o que é possível dada à proximidade da Ilha da Grã-Bretanha. No entanto, durante os séculos 17 e 18, navios de comércio de todo o mundo pararam na Ilha. Uma vez que tais navios comumente têm mantido gatos como caçadores de roedores, é inteiramente possível que os ancestrais do Manx vieram de diversos lugares.

Em algum momento, ocorreu uma mutação e os filhotes nasceram sem a cauda.

Dr. Kerruish fez muita pesquisa sobre a história do gato Manx. Em seu livro ele afirma que a referência mais antiga ao Manx é de propriedade do famoso pintor Joseph Turner. Ele encontrou essa referência no livro, Visões de Ouro de Turner, por C. Lewis Hyde. Em 1810, quando o pintor tinha 35 anos, ele alegou que tinha sete gatos que vieram da Ilha de Man. Jeanie McPhee teve a gentileza de me enviar uma cópia do artigo sobre Manx, escrito pelo Frances chamado Simpson, que foi publicado em 1902. Este artigo é bastante interessante, uma vez que afirma que, na virada do século, diversos Manx foram apresentados na Europa, com variados graus de comprimento de caudas O primeiro registro aparece em uma pintura de 1810, porém a evidência lingüística sugere uma data anterior por volta de 1750. Como a Ilha de Man é uma área isolada propicia para endogamia, resultou na falta de cauda um traço comum. Manx estavam entre as raças originais no alvorecer dos gatos de raça no final de 1800 como mostram os registros daquela época. Hoje, o Manx de pelo longo é conhecido como o Cymric, com um padrão idêntico ao Manx. Na América do Norte, o Manx foi reconhecido como raça em 1920. Criadores e amantes da raça foram muito ativos em divulgar o Manx na década de 1930, tendo um Manx como grande campeão na Cat American Association (ACA). Hoje, o Manx tem status de campeonato em todas as associações norte-americanas.

A TICA reconheceu tanto Cymric quanto o Manx para a competição em campeonatos, em junho de 1979.
O livro genealógico n º 19 da CFA mostra que vários Manx foram registrados nos anos de 1920 e 1930 e que a raça foi reconhecida pela CFA em 1920

Foto: http://manxcats.org/originsmyths-of-manx-cats

Aparência

Os machos adultos pesam de 4 a 6 quilos; fêmeas adultas pesam de 3 a 5 quilos.

• Corpo de tamanho médio, robusto, musculoso, sólido e arredondado, com o flanco profundo e as costas arqueadas.

• Patas musculosas, sendo as posteriores maiores que as anteriores, causando assim uma maior altura da região posterior em relação à anterior.

• Cabeça redonda, com bochechas proeminentes e redondas. Os olhos são grandes, redondos e cheios dando uma expressão doce, e suas cores podem ser: cobre verde, castanho, azul ou cores impares dependendo da cor e padrão da pelagem. As orelhas são de tamanho médio, espaçadas e largas na base, afinando gradualmente para uma ponta arredondada.

• Cauda: a característica mais marcante dessa raça é uma pequena cauda, que é classificada em quatro variedades:
1. Rumpy (não tem cauda presente, apenas uma covinha em seu lugar).
2. Rumpy-Riser (um pequeno botão, que consiste geralmente de 1 a 3 vértebras presentes).
3. Stumpy (tem uma cauda curta e curvada)
4. Longy (os menos populares e possuem uma cauda normal)

• Pelagem: os de pelos curtos conhecidos como Manx e os de pelos longos como Cymric. Eles vêm em todas as cores e padrões tradicionais, muitas vezes com cores fortes e marcas dramáticas. Eles têm um revestimento de espessura que dá uma característica almofadada para o corpo.
O Manx de pêlo curto tem uma pelagem dupla e um tanto rígida dando uma aparência de brilho.
O Manx de pelo longo tem uma textura sedosa com a pelagem de comprimento médio, e pelagem macia nas patas.
No CFA e outras associações, todas as cores e padrões são aceitos, exceto aqueles que apresentaram hibridização resultante nas cores chocolate, lavanda, o padrão do Himalaia, ou estas combinações com branco. No entanto, algumas associações como a “TICA” aceitam todas as cores e padrões.


Saúde e Predisposição a Doenças

• Bolas de pelo (Hairballs)
De tanto o animal se lamber, podem ser formadas bolas de pelo no intestino, o que bloqueia a passagem de fezes, causando problemas de saúde.

• Distrofia da córnea
É uma doença hereditária progressiva que afeta os olhos, muitas vezes da mesma maneira. A córnea, a camada clara exterior da parte da frente do olho, é a mais afetada. A doença não está associada com outras doenças, e pode afetar gatos da raça Manx.

• Síndrome de Manx
Os genes defeituosos nos gatos da raça Manx muitas vezes resultam em problemas de coluna e de órgãos internos, devido à ausência ou defeito de algumas vértebras, que nem sempre são perceptíveis até que o gato tenha alguns meses de idade.
A presença do gene anormal é conhecida na Medicina Veterinária como a Síndrome de Manx. Estudos apontam que 20% desses gatos são afetados por esta síndrome.

• Spina Bifida
Em seu artigo de 2010 "The Cat in Biomedical Research," Michael Rand descreve uma proteína presente no líquido amniótico que resulta em malformação da coluna vertebral ou o cérebro em humanos e em gatos Manx. O defeito mais comum é a spina bífida, na qual as vértebras não fecham ou estão incompletas. Às vezes, o defeito é coberta por pele que se desenvolve normalmente, mas em muitos casos, a falha genética está presente na pele, levando a um defeito aberto.

• Síndrome da cauda eqüina
Os distúrbios da medula espinhal, como a Spina Bifida, podem ocasionar afecções neurológicas freqüentemente encontradas no Manx. A compressão, destruição ou deslocamento das raízes da espinha que ocupam o canal vertebral caudal ao fim da medula espinhal leva a sintomas neurológicos como andar em circulo atrás da própria cauda, o ato de lamber a região da cauda, e outros que caracterizam a Síndrome da Cauda Eqüina (SCE).

• Coluna fundida
Em seu estudo de 2004 "Transtornos do plexo lombos sacral", Marc Raff et al. descrever a presença ocasional de vértebras fundidas no Manx. Conhecido como sacralização, ou fusão, como é visto no desenvolvimento normal, a ultima ou as duas ultimas vértebras lombares se fundem e podem levar a dificuldades na mobilidade ou luxação do quadril. Gatos Manx, muitas vezes, mostram dor, posturas anormais e, ocasionalmente, uma ausência de função dos nervos levando a traumas acidentais.

• Defeitos em órgãos internos
Síndrome de Manx também é muitas vezes acompanhada por defeitos nos órgãos internos e as estruturas neurais, incluindo o cérebro. Condições, tais como meningocele e hidrocefalia são prováveis. Defeitos no desenvolvimento dos órgãos internos podem afetar negativamente os sistemas excretores, como a bexiga e intestinos, ou por causa de defeitos ou danos do tecido neural, enquanto os tecidos dos órgãos internos às vezes se fundem com outras células em desenvolvimento como a cartilagem ou osso.

• O corte da cauda
Alguns gatos Manx têm cauda muito rudimentar, e criadores responsáveis tomam muito cuidado no acasalamento. Se nascerem com uma cauda maior do que uma ou duas vértebras, a pesquisa descobriu que depois de alguns anos, a ossificação dos ossos da cauda causa um grande desconforto. A amputação da cauda causa desconforto muito mais no gato adulto, devendo ser feita alguns dias após o nascimento.




Foto: http://animaltheory.blogspot.com.br/2011/07/manx.html

Cuidados

• Pelo curto uma escovação quinzenal, e pelo longo uma escovação semanal, sempre tomando cuidado ao manusear a região da ultima vértebra, pois mesmo sem cauda, a terminação nervosa esta presente.

• Deve estar atento ao peso do gato, pois está raça tem tendência à obesidade. O dono deve sempre estimular seu gato a fazer exercícios, e oferecer uma alimentação adequada para que ele cresça com o peso e tamanho adequado e fique com uma pelagem lisa e brilhante.

• Consultas regulares ao médico veterinário, em intervalo de seis meses.

• Limpeza semanal nos ouvidos, usando sempre um produto próprio para essa finalidade, que se encontra em pet shops. Coloque o gel para limpeza, e depois de 20 minutos limpe com auxilio de um algodão, ate que ele saia sem sujeira aderida.

• Vacinação, vermifugação, e demais cuidados orientados por um Médico Veterinário.

• Uma enorme quantidade, diversas vezes ao dia, de muito amor, carinho e respeito.


Comportamento/Temperamento

Estes gatos são geralmente suaves brincalhões e suas patas posteriores poderosas os tornam excelentes saltadores, capazes de chegar ao lugar mais alto para investigar algo que atraiu seu interesse, e não é raro encontrá-los no lugar mais alto em qualquer sala. São gatos inteligentes, e rapidamente aprendendo a usar suas patas para girar uma maçaneta, para chegar a uma sala contendo algo que eles querem.

Aprender rapidamente a recuperar e, por vezes, enterrar seus brinquedos como um cão. Enquanto eles têm um miado relativamente calmo, mas eles podem miar bastante, e muitas vezes usar um som trinado único. Eles formam fortes laços com suas famílias. Eles ficam em casa com crianças e outros animais de estimação quando devidamente ensinados.

Manx muitas vezes pode ser tanto de uma única pessoa ou de uma única família, e uma vez que ele cria vínculo com alguém, é difícil para ele ser feliz em uma casa diferente. Por outro lado, há também aqueles que aceitam prontamente a atenção de qualquer pessoa.


Notas

Nota1: Apesar de todas as qualidades de um gato de raça, um vira latinha apresenta milhões de qualidades, que o farão tão ou mais especial que qualquer gato de raça pura.
Nota2: Pense sempre em adotar um gatinho. Não existe um ato de amor tão especial, quanto à adoção.



MV Marcelo Samegima Aleixo
http://www.facebook.com/profile.php?id=100000623329523
e mail e MSN: msaleixo@hotmail.com



1 comentarios:

Rafaela - Tudo em Foco disse...

Eu não conhecia esse gato Manx, mas ele é realmente uma gracinha. No entanto, concordo que um gato para adoção é um ótimo companheiro, tanto quanto um gato de raça. Outra observação é que, como o Manx tem propensão a ter várias doenças, o dono tem que saber que, se o gato adoecer, precisa dar toda a atenção e remédios necessários e não simplesmente abandonar - como muitos fazem.

Postar um comentário

Olá!
Estamos muito gratos por receber seu comentário aqui no Tudo Gato!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...