Prevenir é melhor do que remediar.


A obesidade é uma doença que tem um tratamento difícil. Um animal curado da obesidade (isso inclui os humanos) é aquele que alcança o seu peso ideal e permanece nele por, no mínimo, dois anos. Muitas vezes achamos que emagrecer é estar curado.


A prevenção também é complicada porque o que engorda é comer e todos temos que comer. Não é como prevenir um câncer de pulmão não fumando ou prevenir uma cirrose não bebendo. Por maiores que sejam as tentações para um fumante ou para um alcoólatra, em alguns lugares, estes podem se esconder e não consumir o que lhes faz mal. Entretanto, quando saímos para comer, na maioria dos lugares, temos uma opção pouco calórica e várias opções de dar água na boca.


Quando se trata da prevenção da nossa obesidade, evitando comidas calóricas, bebidas, deixando de sair com os amigos, nós sabemos o quanto é difícil. Prevenir a obesidade em gatos parece ser mais fácil, afinal eles comem o que damos.


Infelizmente nós temos a tendência de comparar a alimentação do gato com a nossa. O clínico de gatos acaba passando por muitas situações:

- Doutora, eu gosto de sempre variar os sabores e as marcas porque meu gato acaba enjoando de tudo. Na verdade ele não enjoa assim, de parar de comer, mas vai acabar enjoando.


- Doutora, ele come a quantidade recomendada por dia, mas o leitinho e o peixinho, com muito azeite é claro, não podem faltar.


- Ele brinca sim, e é tão engraçado que quando eu chego do lado dele para fazer carinho ele sempre vai para a vasilhinha comer. Veja como ele é carinhoso doutora, eu amo dar carinho a ele.


- Doutora, a senhora não tem noção do que é meu gato com fome, ele grita. A melhor coisa que eu acho é colocar a ração em um comedor automático e ele sempre terá comida.


- Essa raça é redonda mesmo, não é gordura.


Então como prevenir a obesidade?

A prevenção deve começar desde pequenininho. A cada consulta o veterinário deve estimar o escore corporal do gato e recomendar a alimentação mais saudável, que deve incluir informações sobre as categorias das rações e o manejo alimentar. Outro ponto importante é o enriquecimento ambiental para estimular os exercícios do animal. Ele deve estar sempre curioso, brincando, e gastando suas calorias.


Em gatos de 6 a 10 anos de idade, qualquer ganho de peso deve ser considerado importante. O veterinário vai ter no seu prontuário todas essas informações que vão complementar a prevenção. Um ganho de 100 gramas para um rottweiler entre uma consulta e outra não significa nada, mas o mesmo ganho em gatos, deve ser interpretado como um alerta, principalmente nessa idade.


A castração ainda é o maior fator predisponente da obesidade. É recomendado que o animal seja reavaliado duas a três vezes nos primeiros seis a doze meses após a castração. O ganho de peso, a quantidade de alimento consumida ao dia, e o comportamento do gato vai ser questionado para com isso serem elaboradas as mudanças na alimentação e no manejo.


É comum o ganho rápido e intenso de peso depois da castração em felinos. Segundo Harper (2001) o ganho de peso após a castração pode variar entre de 7,5 a 31% e vai depender, dentre outras coisas, do manejo alimentar.



Nesse sentido, após a castração é importante lembrar-se de:

- Manter regularidade nas avaliações do peso, ganho de peso e escore corporal

- Manter sessões de exercício e brincadeiras com os gatos

- Evitar petiscos extras

- Manter uma alimentação saudável

- Oferecer a quantidade de alimento recomendada pelo veterinário, sem deixar à vontade.



A relação entre o veterinário e o proprietário deve ser de confiança e clareza. De nada adianta falar sobre a obesidade e suas conseqüências se o proprietário não estiver convencido que o seu animal é obeso. As imagens que avaliam o escore corporal (http://www.tudogato.com/2011/08/o-meu-gato-e-gordo-dia-de-veterinaria.html) são sempre apresentadas ao dono, pois se este não entender que existe o problema e a sua gravidade, manter um gato gordinho, dorminhoco e fofinho em casa gera mais satisfação e menos trabalho.


Então, compartilhe a sua experiência:

O que você anda fazendo para prevenir a obesidade no seu gato?

Que tipo de enriquecimento ambiental você oferece para o seu gato e o quanto ele usa isso?


Vamos continuar a falar sobre a obesidade no próximo artigo. Abordaremos as principais doenças que possuem a obesidade como fator predisponente mais importante.

Até breve pessoal!

Alice Ribeiro
diarioveterinaria.blogspot.com
twitter: @alicevet


Bibliografia consultada:
Harper EF, Stack DM, Watson TDG, et al. Effects of feeding regimens on body weight, composition and condition score in cats following ovariohysterectomy. J Small Anim Pract 2001; 42: 433-438.



16 comentarios:

Jujubasss disse...

Muito legal Dra. Alice. Há quem pense que gato bonito é gato fofinho ehehehe

Abraços

Laura disse...

Dra, a minha gatinha Alice (acho lindo seu nome, tanto que batizei minha filha com ele..rs) castrou faz mais ou menos um mês. E noto que ela já engordou! Pincipalmente em comparação à minha outra gata, a Bella, que será castrada semana que vem e é bem magrinha. A Alice sempre foi mais gordinha que a Bella e noto que ela vai mais vezes ao pote de comida. Eu perguntei pra vet se podia começar a dar ração para gatos castrados, mas ela disse que as duas são ainda mto bebês e precisam do calcio da ração de filhotes (elas tem 6 meses). Eu não dou mais nenhum petisco extra! So ração de filhotes Royal Canin Kitten 34. E quando elas estiverem com uns 10 meses a vet falou que posso dar a Riyal de jovens femeas castradas. O que vc acha??

Adoro sua coluna!

Beijos
Laura.

Otávia Mello disse...

o Arthur antigamente morava no jardim do meu prédio. Quando finalmente veio morar aqui no apt, teve um aumento consideravel de peso, de 5 para 8 kgs. parecia uma melancia com cabeça de maça, mesmo com as brincadeiras durante o dia. por um ano tentei reduzir o peso dele com uma ração para gatos castrados sem nenhum sucesso, aliados com a teimosia do pessoal aqui em casa, que achavam que gato gordo é gato saudavel e bonito. hj em dia ele come uma ração diferente e mantem saudaveis 5kgs. as pessoas da residencia aprenderam sobre os riscos da obesidade e hj em dia seguem a risca as recomendações para ele. o resultado é um gatinho lindo e saudavel :)

Anônimo disse...

Por sorte o Gregório é magro e come pouco por natureza. Ele veio castrado de fábrica, como eu brinco, e acredito que não tenha engordado depois. Ele é super ativo (até demais) e talvez isso ajude, então nunca fiz um controle certinho. Dou a mesma quantidade de ração todos os dias e alguns dias ele come mais, outros menos, mas nunca falta. E nós dois estamos muito felizes por isso nestes quatro anos de convivência, rs.

Ana Luisa Alves disse...

Tenho três gatos Persa. Dois deles são castrados e uma não é. O mais velho tem 7 anos, a do meio tem 6 e a mais nova tem 4 anos. É complicado gerir as refeições e por isso o sistema que adoptamos é ter duas malgas com ração seca sempre disponível. Todos tem um peso considerado normal para a raça. Em parte acho que isto de deve ao facto de terem um jardim por onde correr e terem também a companhia uns dos outros. No entanto, recentemente o meu gato mais velho teve de ser internado pois não urinava, não defecava e tinha vómitos. Como as análises não revelaram cristais nem actividade anormal dos rins, e mais tarde ele voltou a urinar sem ser necessária a algália, o médico veterinário supôs que o problema dele seria fezes demasiado secas. Depois de um clister, vários "Bébégel" e um laxante, o meu gato acabou por finalmente defecar. O médico recomendou comida para gato castrado e comida de lata húmida. Espero que isto baste para o ajudar a obter mais líquidos. Contudo terei de dar alimento suplementar á minha gata não castrada, para que ela não seja prejudicada.

Gostei muito deste post :)

João Víctor disse...

A próxima vez que alguém me disser que EU estou acima do peso eu logo tascasr essa desculpa:
"Eu não sou gordo não, minha raça que é redonda mesmo".

K k K k K k K k K k K k K ! ! ! ! ! ! !

Madeleine não sofre um "controle" tão específico. Geralmente ela come nos horários em que pede comida: de manhã e no fim de noite. Nessa última ocasião, às vezes o pote de comida ainda tá cheio, então eu pego, tipo, 5 grãos de ração na caneca, chacoalho pra fazer barulho e ponho no prato dela. Não é nem tanto fome, é mais a rotina, o ritual diário de abrir a despensa, pegar ração na caneca e colocar no pote.

No quintal, ela gosta muito de subir em árvores (não precisamos da ajuda do corpo de bombeiros pra fazê-la descer depois, eu juro!), e o nosso cachorro hiperativo com DDA simplesmente não a deixa em paz.

BTW, nas fotos os gatos parecem estar todos no mesmo arranhador. São os seus "filhos"???

Alice no País das Maravilhas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alice no País das Maravilhas disse...

Gente, a participação de vocês está muito legal. É importante trocar informações porque as dúvidas de um podem ser as mesmas de outros...
Laura, eu passo a mesma orientação que você recebeu, com um extra que é a importância do acompanhamento do peso nos primeiros 12 meses e depois a cada seis meses. Geralmente eu peço para o proprietário fazer um gráfico e ir me enviando as informações gradativamente, que incluem o tipo de ração, o manejo e o peso. Quando trocam de ração ou quando há alteração no manejo, eles informam também, e podemos intervir na hora certa.
Otávia, fico feliz em saber que o Arthur tenha chegado ao peso ideal. Lembrando que essa redução deve ser gradativa e lenta.
"Anônimo" (rs) e Ana Luisa, é importante essa observação de vocês. Qualquer mudança é sempre notada. Esses comentários mostram que há monitoramento de perto... parabéns.
João, são meus filhotes sim. A primeira é a Sushi, que usa o arranhador só para subir na janela, o segundo é o Panda, que gosta é de dormir, e dorme mesmo até que a terceira, a Maria Gadú, o expulsa para fazer pose.
Só a AK47, minha gatinha mais velha, que não usa o arranhador. Como eu moro no prédio da minha família, eles entram e saem do meu apartamento, aproveitando bem o quintal. A AK adora caçar calangos, me trouxe vários pássaros (inclusive um do vizinho que fugiu) e já me desesperou brincando com duas cobras.
Continuem participando..
até mais

João Víctor disse...

AK47... e eu que achava que a criatividade para batizar gatos já tinha chegado ao limite :-P
PS.: Madeleine já caçou e comeu várias rolinhas, uma vez foram duas no mesmo dia. A barriga cheia chega a deixar ela lerda...
Mas o rato a gente não deixou ela comer.

faby disse...

Lá em casa o Alarico já era acima do peso muito antes da castração, e aconteceu o contrário, após castrado resolveu de livre e espontânea vontade emagrecer, de lerdo e dorminhoco, passou a ser o mais ativo, chegando a ser chato, pois não para quieto nem de madrugada.
Os outros deram uma aumentada de peso mesmo, mas resolvi dar comida em horas certas e, como os 5 comem juntos, nunca sobra nada no prato. Diminui também a quantidade de ração nas refeições, mas notei que a Terror, que era a mais esbelta da casa, ganhou uns quilinhos a mais depois da troca de horários, mas ela continua elegante, afinal a raça dela não é redonda, só a cabeça que é de bolota kkkkkk

faby disse...

Alice fica nos devendo a foto da AK47, queremos comnhece-la.
Lá em casa o maior caçador era o Jack Sparrow,
ele nos dava de presente, nunca comeu. Era um festival de bichos, cobras cegas, ratos e passarinhos, até um joão-de-barro vivo certa vez ele me trouxe. Sinto saudades dele, pois desde que ele foi pro céu dos gatinhos os presentes diminuiram, agora só ganho gafanhotos e minhocas hahahaahah.

Lau disse...

O Lili era "gordinho", comia ração p/ gatos castrados, mas era muuuuuuuuuito preguiçoso, e engordou depois da castração.

Já a Alice, faz 3 meses que foi castrada, ainda não notei diferença, e ela come ração de filhote; segundo o veterinário, deve come-la até 1 ano!
P/ quem quiser conhecer, meu amiguinho fiel, que foi morar no "céu dos gatos", saudades p/ sempre...
http://www.flickr.com/photos/28519728@N07/4309779594/in/photostream

E minha nova companheira Alice!
http://www.flickr.com/photos/28519728@N07/6027344834/in/photostream

Laura disse...

Panda fofoooo!!

Alice, obrigada pelas dicas!! Eu to monitorando o peso da minha Alice, rs como eu disse, ela engordou depois da castração, mas pelo que eu to vendo, agora ela "estacionou"!! Mas eu tô de olho!!! rs

Beijos

Zanarde disse...

Oi adoro a sua coluna

A Xaninha sempre foi taxada de gorda, até a Veterinaria se surpreende por ela ter exatos 4,3kg. Eu sempre vou vendo se ela engordou, mas deixo comida a vontade...ela não come se não trocarmos a ração e sempre come só um pouco...prefere fazer muitas refeições ao dia...

Ela mora na firma em baixo da minha casa assim ela sempre acaba tenso algo novo para fazer...

RITA DE CÁSSIA disse...

eu tenho um gatinho e eu deixo a comida dele perto e quase todo estante ele come é normal? ou devo tira uma Certa hora?por favor mim ajuda,RITA.

geraldo junior disse...

Olá, sou o Geraldo júnior, pai da Letícia, da Layse, da Sofia e marido da Luíza, que nunca foi ao Canada. Como veem sou o macho dominante. Os outros membros da família são: 04 gatas ( charlenne, bibi, miuda e patinha) todas castradas. Delas a única que ganhou bastante peso após a cirurgia foi a bibi. Não sei ao certo qual é raça dela,sei que suas patas dinteiras são mais curtas. Ela é preta com patas brancas. Está uma verdadeira bola, estamos controlando a alimentação, pequenas porções a cada 04 horas, não damos petiscos e a ração não é para gato castrado( não sabia que existe ). Queria receber sugestões de exercícios para gatos, pois estou preocupado com a bibi, tenho medo que ela fique cardíaca. Ah...esqueci do Zig, que está hospedado na nossa garagem, ainda é um filhote, estamos procurando um lar para ele pois aqui não tem mais vaga. e- mail: juniornataster@gmail.com

Postar um comentário

Olá!
Estamos muito gratos por receber seu comentário aqui no Tudo Gato!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...